Google ajuda The Washington Post aumentar retorno de buscas pelo celular em 23%

Com aproximadamente 55% do seu tráfego vindo de dispositivos móveis, o jornal The Washington Post sabe que proporcionar uma experiência de leitura em dispositivos móveis é fundamental para o seu sucesso a longo prazo.

O jornal está focado em fazer que seu conteúdo para dispositivos móveis carregue o mais rápido possível, porque os dados mostram que as pessoas abandonam os sites depois de apenas três segundos se o conteúdo não carregar rapidamente.

Em Junho de 2015, o The Washington Post entrou em um grupo de editores e empresas de tecnologia para criar o “Accelerated Mobile Pages Project” (Projeto Páginas Aceleradas para Celular), um novo padrão para publicação de conteúdo que carrega instantaneamente, em qualquer lugar em toda a internet móvel, usada em celulares e smartphones.

“Estamos empenhados em melhorar a velocidade em toda a linha”, disse David Merrel, produtor sênior do Washington Post.

amp8

“Se nosso site demora muito tempo para carregar, não importa quão grande é nosso jornalismo é, algumas pessoas vão deixar a página antes de ver o que está lá”.

O Post publica cerca de 1.000 artigos em AMP todos os dias, e eles já estão vendo benefícios concretos. “Temos visto que o tempo de carregamento médio de 400 milisegundos, que resultou em uma melhoria de 88% sobre nosso site para dispositivos móveis tradicional. Isso fez com que os leitores mais gostassem das histórias do Washington Post, porque eles sabem que nossos artigos irão carregar consistentemente mais rápido”.

AMP tem sido grande para retenção positiva. Tradicionamente, 51% dos usuários móveis estão retornando para o The Washington Post em um prazo de 7 dias. Para usuários que leem histórias publicadas no AMP, o número salta para 63%“A introdução ao AMP foi fácil porque ele é construído sobre tecnologias existentes na internet. E desde AMP não é um sistema baseado em um modelo, nós pudemos hospedar o nosso conteúdo da maneira que acharmos conveniente e de fácil integração ao nosso sistema de publicidade, análise e outras ferramentas de negócios”, disse Merrel.

Resultados

  • 23% Aumento de usuários de dispositivos móveis que retornaram em um prazo de 7 dias
  • 88% Melhoria no tempo de carregamento de conteúdo em AMP versus a versão tradicional para web móvel
  • Mais de 1000 – Artigos do The Washington Post são publicados no plataforma AMP HTML diariamente

“Estamos comprometidos em melhorar a velocidade do outro lado do quadro. Se o nosso site leva tempo para carregar, não importa quão grande o nosso jornalismo é, algumas pessoas vão sair da página antes de ver o que está lá” – David Merrel Produtor Sênior do The Washington Post.

No mundo e no Brasil, grandes portais e sites de notícias já utilizam a publicação com formato AMP

amp3

DothCom: Escolha pelo Google

A DothCom, detentora da plataforma DothNews recebeu o convite do Google Brasil para implementar a versão para alguns de seus clientes, e os resultados já começam a aparecer. Para o engenheiro de computação da DothCom, Gabriel Novaes, o novo método é um código que agiliza e oferece uma experiência de leitura muito mais rápida ao leitor, bastando apenas um toque no celular.

Em Mato Grosso do Sul, o portal Correio do Estado já utiliza a nova ferramenta que já apresenta resultados positivos em visibilidade e audiência. Ao fazer uma simples busca no Google pelo celular como “Correio do Estado”, logo após os resultados aparecerem há links com fotos das notícias “quentes”. Ao tocar, o usuário notará uma diferença muito grande.

IMG-20160706-WA0046.jpg

“O formato AMP puxa as notícias do site, e as disponibiliza por meio do Google (em um “carrossel” de notícias em uma busca simples) e assim que clicado na tela, o site abre em milissegundos. A transição é algo fantástico, que melhora muito mais a leitura do usuário e para o site possibilidade de gerar mais tráfego, além de melhorar a visibilidade no google”